A Fatec Franca

 Histórico
O trabalho do deputado estadual Roberto Engler (PSDB) para a instalação de uma nova faculdade pública e gratuita na cidade durou quase 15 anos e em junho de 2008 se intensificou ainda mais. Na ocasião, Engler organizou uma reunião entre a superintendente do Centro Paula Souza, Laura Laganá, e mais de 30 lideranças locais. Era o início da Fatec Franca. No encontro, foram discutidos quais seriam os cursos que a unidade iria oferecer. O consenso, baseado no perfil coureiro-calçadista da economia da cidade, ficou por conta da formação em calçados. “Foi uma vocação inconteste que prevaleceu de forma absoluta”, conta Engler.

Apesar de a reunião fornecer praticamente todos os subsídios necessários para um anúncio, motivações políticas impediram o comunicado oficial. No dia 31 de julho de 2007, em visita à cidade, foi o governador José Serra quem reafirmou as definições tomadas em junho e acabou com qualquer dúvida que ainda pudesse existir. “É confirmado, a Fatec deve ser instalada em breve. Só falta definirmos alguns detalhes. É uma promessa de campanha e, mais que isso, uma necessidade de Franca que ficou provada com nossos estudos. Nada mais justo”, disse então.

Desde então, Engler acompanhou todo o processo de estudos para a chegada da faculdade.
 
  
 Legislação 
Decreto de Criação - A Fatec Franca foi criada por Decreto 39.268 de 23/09/1994, publicado no D.O.E. de 24/09/1994 – Seção I - Página 001.

Autorização de Funcionamento do Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Produção Industrial, oferecido pela Fatec Franca.
Parecer 480/09 - Proc. CEE 283/2008 - D.O.E. de 17/12/09 - Seção I – Págs. 24 e 25.
  

 Nova Denominação
Faculdade de Tecnologia "Dr. Thomaz Novelino" - Fatec Franca
Com a Lei 13.475 de 30/03/2009 (Projeto de lei nº 276, de 2008, do Deputado Roberto Engler - PSDB), publicada no D.O.E. de 31/03/2009 - Seção I - Página 001, decretada pela Assembleia Legislativa e promulgada pelo Exmo. Governador do Estado de São Paulo, José Serra, a Fatec Franca, unidade de ensino do Centro Estadual de Educação Tecnológica “Paula Souza” - CEETEPS, passa a denominar-se Faculdade de Tecnologia "Dr. Thomaz Novelino".

Para Engler, a lei promove uma justa homenagem a alguém que colaborou para o bem da Educação da cidade. "Na hora de escolhermos o nome da Fatec, examinamos a trajetória da Educação na cidade e acredito que o nome do senhor Thomaz Novelino é absolutamente propício. A Pestalozzi, com seus mais de 60 anos de existência, é referência durante todo esse tempo não só com ensino de qualidade, mas também pelo seu trabalho assistencial. Novelino é o idealizador da Fundação, que chegou a ter uma faculdade, na qual eu mesmo lecionei por um período. Estamos convictos de que a denominação encontrará aprovação da ampla maioria da comunidade francana, bem como dos colegas deputados", disse o deputado.

 
 A vida de Thomaz Novelino
Thomaz Novelino nasceu no dia seis de outubro de 1901, em Delfinópolis. Filho de Thomaz Novelino de Aquino e Auta Maria das Dores Novelino, aos sete anos de idade ficou órfão de pai e mãe e foi internado no Orfanato "Anália Franco", em São Paulo. Em 1916, passou a estudar com Eurípedes Barsanulfo, em Sacramento, e lá permaneceu até 1918, quando foi para Muzambinho, e, de lá, se graduar pela Faculdade de Medicina no Rio de Janeiro.

Chegou a Franca em 1933 e pretendia ficar só por uns tempos para o tratamento de um amigo no Hospital "Allan Kardec". Acabou tornando-se médico do hospital, onde atuou como voluntário durante 27 anos e foi também redator do jornal "A Nova Era", onde publicou uma série de artigos, reunidos no livro "Escritos Espíritas: uma militância pedagógica". Casou-se, no dia 24 de junho de 1936, com a professora Maria Aparecida Rebêlo Novelino, que residia em Ribeirão Preto. Tiveram seis filhos: Eneida, Icléia, Alcione, Cleber, Climene e Jesiel.

No início de sua carreira profissional, clinicou em Ibiraci e Monte Santo. Em Franca, exerceu a medicina como cirurgião, parteiro e clínico-geral. Atendia no Hospital "Allan Kardec"; na Santa Casa de Misericórdia, onde foi diretor clínico por muitos anos e lecionou Medicina Legal na Faculdade de Direito.

Aparecida, sua esposa, era professora e tinha o sonho de ter uma escola, que também era sonho de Thomaz. Em primeiro de agosto de 1944, nascia a Escola Pestalozzi. Para conseguir dinheiro para a manutenção da Escola Pestalozzi, uma vez que o rendimento do casal Novelino não era suficiente, iniciou-se então a Fábrica de Calçados Pestalozzi. Com o passar do tempo, a escola se transformou em uma Fundação, surgiram o Lar-Escola, a Unidade II, a Unidade III, a Fazenda Pestalozzi e o Observatório Astronômico "Eurípedes Barsanulfo". Dentre as instituições de ensino vinculadas à Fundação, esteve a Faculdade Pestalozzi, atualmente Unifran (Universidade de Franca). A unidade foi a primeira de Franca a oferecer cursos tecnológicos em moldes semelhantes aos da Fatec. Na década de 90, houve uma crise no setor calçadista, que atingiu a Fábrica, que era a maior fonte de recursos da Fundação e houve a necessidade de algumas medidas de economia, reduzindo o trabalho humanitário até então desenvolvido. A fábrica fechou, a fazenda foi vendida para cobrir dívidas, a unidade III foi desativada, o observatório perdido e houve redução de vagas nos lares-escola.

Sem antes nunca ter saído do Brasil, aos 94 anos, em pleno inverno europeu, Thomaz foi à Suíça, pois o seu trabalho fora reconhecido internacionalmente e no ano de 1996, recebeu uma homenagem, a Fundação Educandário Pestalozzi foi considerada, dentre as muitas existentes no mundo, uma daquelas que mais se aproxima do modelo idealizado pelo grande educador Pestalozzi.

Thomaz Novelino morreu aos 99 anos de idade, no dia 31 de outubro de 2000.

Compartilhe:

Submit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn